quarta-feira, 9 de abril de 2014

E as palavras?

 
 
 
 


Olhava-te com aquele olhar que tem a esperança,
De sorrisos rasgados e cúmplices
De um  Eu feito de Ti
De alegria,
Aquela alegria que em dias cinzentos, chuvosos e mortos,
enchessem de sol e calor as nossas almas, e nos trouxessem de volta á vida.
Tínhamos tanto...
Tínhamos quase tudo...
Um tudo que nos envolvia com carinho
Um tudo que nos olhava, sorria e deixava,
Que fazia das palavras a doce poesia,
Do toque a mais perfeita melodia...
Cada gesto era a expressão em nossos rostos, da mais bela das paisagens...
O melhor da natureza em nós,
Como aquela flor que se rega e que cresce
Linda, pura, bela...
Olho da minha janela, nesta noite escura e amena
E procuro...
Em algum lugar deve estar a lua, eu não a vejo
Em algum lugar deve estar a paz
Eu não a sinto
Mas,naquele lugar de sempre, estão as estrelas
Elas, que nunca me abandonam
Tristes, menos cintilantes, mas firmes
Carregadas com toda a esperança que me devolve ao olhar
E que, se olhar,atentamente
Encontrarei
No meio de toda esta escuridão
O que não quiseste guardar
Procurarei no meio das silvas
Aquele olhar cheio de esperança
Aquele sorriso meigo e cúmplice
Aquele carinho abandonado
Aquele tocar da triste melodia
E as palavras?
As palavras , essas, perderam-se no silêncio
que faz agora
muda
a minha poesia...

Nani Carvalho






1 comentário:

Onde quer que estejas...

"Queria alguém à minha espera num sítio qualquer" Esse alguém podias bem ser tu, que o sítio fosse aquele que ...